Professores de matemática no ensino superior: desafios vivenciados no início da carreira docente

  • Cibele Aparecida Santos Rosa PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO
  • Dilma Antunes Silva Pontifícia Universidade Católica de São Paulo-SP
  • Laurizete Ferragut Passos Pontifícia Univeridade Católica de São Paulo.
  • Raquel Seriani Pontifícia Universidade Católica de São Paulo- PUCSP
Palabras clave: Professores iniciantes, Dificuldades e desafios. Matemática

Resumen

O texto aborda os desafios vivenciados pelos professores de Matemática em início de carreira frente às dificuldades dos alunos com defasagem de conteúdos matemáticos. Trata-se de estudo qualitativo, no qual adotou-se a utilização de entrevistas semiestruturadas como instrumento para a coleta de dados. Os sujeitos do estudo foram três docentes de matemática que atuam no nível superior, em instituições distintas. Os professores apontaram várias dificuldades e insatisfações, e o maior desafio é fazer com que os alunos entendam o conteúdo. Os resultados apontam que os professores do estudo demonstraram ter consciência de sua condição de formadores, de seus saberes e limitações para atuar como bons profissionais; mas no dia a dia, deparam-se com o desafio de repensar sua prática em sala de aula.

Biografía del autor/a

Cibele Aparecida Santos Rosa, PONTIF?CIA UNIVERSIDADE CAT?LICA DE SÃO PAULO
Doutoranda em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo- PUCSP. Tem formação em Pedagogia e Mestrado em Educação (Psicologia da Educação) pela PUCSP.
Dilma Antunes Silva, Pontif?cia Universidade Cat?lica de S?o Paulo-SP
Doutoranda  em Educação( Psicologia da Educação) na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo- PUCSP.Pedagoga, Especialista em Alfabetização Escrita e Numérica. Possui Mestrado em Educação (Psicologia da Educação) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo- PUCSP. Atualmente é docente no Núcleo de Educação Infantil NEI/EPE da Universidade Federal de São Paulo-UNIFESP. 
Laurizete Ferragut Passos, Pontif?cia Univeridade Cat?lica de S?o Paulo.
Professora aposentada da UNESP, atualmente é Professora Assistente da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo- PUCSP. Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo.
Raquel Seriani, Pontif?cia Universidade Cat?lica de S?o Paulo- PUCSP
Possui formação em Pedagogia, Matemática e Mestrado em Educação (Psicologia da Educação) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo- PUCSP. Doutoranda em Educação Matemática pela PUCSP. Docente nos níveis básico e superior.

Citas

Bozu, Z. (2010). Los jóvenes profesores universitarios en el contexto actual de la enseñanza universitaria Claves y controversias. Revista Iberoamericana de Educación / Revista IBERO-AMERICANA DE EDUCAÃÃO, 21-28.

Brito, E; Santos ,C. (2013) Prática pedagógica dos professores de matemática no início da experiência docente: ciclos de vida e saberes docentes. Disponível em: http://www.ufpi.br/subsiteFiles/ppged/arquivos/files/eventos/evento2009/GT.1/1

Brasil (1997). Secretaria de Educação Fundamental Parâmetros curriculares nacionais: Matemática. Brasília: MEC/SEF.

Cunnha, M.I. (2012). O professor iniciante: o claro/escuro nas políticas e nas práticas de formação profissional. Anais do III Congresso Internacional sobre professorado principiante e inserción profesional a la docencia. Santiago de Chile.

D´ambrosio, U. (2003). Educação matemática: da teoria à prática. 10 ed. Papirus,Campinas. Brasil.

Dias, C. M. S.; Engers, M. E. A. (2005). Tempos e memórias de professoras alfabetizadoras. EDUCAÃÃO, 28, 505-523.

Garcia, M. O. (1999). Formação de Professores para uma mudança educativa. Porto Editora, Porto. Portugal.

Gomes, M. (2002) Obstáculos epistemológicos, obstáculos didáticos e o conhecimento matemático nos cursos de formação de professores das séries iniciais do Ensino Fundamental. Contrapontos, 6, 363-376.

Favarini, E. (2014). A formação de professores e os desafios encontrados na entrada da carreira docente. X ANPED SUL, Florianópolis. Brasil.

Fiorentini, D; Lorenzato, S. (2007). Investigação em educação matemática: percursos teóricos e metodológicos. Autores Associados, Campinas: SP. Brasil.

Flores, M. A.(2009). La investigación sobre los primeros años de enseñanza: lecturas e implicaciones. In: Garcia, C. M.(org.). El profesorado principiante inserción a la docencia. Ediciones Octaedro, 59-98. Barcelona. Espanha.

Isaia, S ;Bolzan, D. (2009) O processo formativo do professor no ensino superior: em busca de uma ambiência (trans) formativa. In: Isaia, S. M. A.; Bolzan, D. P. V.; A. M. R.(Org.) Pedagogia Universitária. Tecendo redes sobre a Educação Superior. Santa Maria: Editora UFSM, p.63-77.

Isaia; Bolzan, D. (2008).Compreendendo os movimentos construtivos da docência superior: construções sobre pedagogia universitária. LINHAS CRÍTICAS, 26, 43-59,

Lima, I; Galvão, A.(2012) Escolha profissional na perspectiva de professores de Educação Infantil. Revista EDUCAÃÃO, 37,321-336.

Lüdke, M.; André, M. E. D. A.(2008). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. EPU, São Paulo. Brasil.

Passos,L; Silva, S; Marques, D. (2014) Desafios Pedagógicos e Institucionais de Professores Iniciantes no ensino superior e as implicações para os cursos de formação de professores. Revista EDUCAÃÃO, 9, 447 - 457.

Perrenoud, P. (2002). A prática reflexiva no ofício de professor: profissionalização e razão pedagógica. Artmed, Porto Alegre. Brasil.

Perenoud, P. (2002). Aprender a negociar a mudança em educação: novas estratégias de inovação. Edições ASA, Porto. Portugal.

Pimenta, S.G; Ghedin, E. (2002). (Org) Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. Cotez, São Paulo. Brasil.

Pires.C. (2000). Novos desafios para os cursos de licenciatura em matemática. EDUCAÃÃO MATEMÁTICA EM REVISTA, 8,10 -15.

Sanchez, J. (2004). Dificuldades de Aprendizagem e Intervenção Psicopedagógica. Artmed, Porto Alegre: RS. Brasil.

Tardif, M. (2002). Saberes docentes e formação profissional. Vozes, Petrópolis: RJ. Brasil.

Thurler, M. G.; Perrenoud, P.(2006). Cooperação entre professores: a formação inicial deve preceder as práticas? CADERNOS DE PESQUISA, 128, 357-375.

Valle, I. R. (2006). Carreira do magistério: uma escolha profissional deliberada? REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS PEDAGÓGICOS, n. 216,178-187

Viera, E. C. (1997). Socialização, opção profissional e representação na Educação Física. MOTRIZ, 3,44-49.

Zanchet, B; Fagundes,M; Facin, H. (2012) Motivações, primeiras experiências e desafios: o que expressam os docentes universitários iniciantes. Disponível em: Disponível em http://formacaodocente.autenticaeditora.com.br

Publicado
2016-06-25
Sección
Artículos